Sem reconhecer afastamento, líder catalão viaja à Bélgica e pode pedir asilo

O ex-presidente do governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, que foi destituído na sexta-feira passada pelo premiê espanhol Mariano Rajoy, em aplicação do artigo 155 da Constituição, está na Bélgica nesta segunda-feira, onde pode solicitar o asilo político.

"O presidente de uma República exilado é uma denúncia contra a Espanha perante os Estados internacionais europeus e nos preserva a dignidade de 1° de outubro", disse o deputado republicano da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), Lluís Llach.

"Puigdemont e cinco ex-conselheiros estão planejando candidatar-se a asilo político na Bélgica", relataram os jornais La Sexta e El Periódico.

Os cinco ex-assessores que acompanham Puigdemont são Meritxell Borràs (PDECat); Toni Comín (ERC); Joaquim Forn (PDECat); Dolors Bassa (ERC) e um quinto membro do Governo destituído, cuja identidade é desconhecida.

Na manhã desta segunda-feira, vários meios de comunicação já haviam anunciado que o presidente da Generalitat – que não reconheceu a sua destituição por Madri – viajara para Bruxelas para manter contatos políticos.

O Partido da Independência Flamenco N-Va, que é um dos quatro partidos que compõem o governo da coalizão na Bélgica, é um dos poucos apoios internacionais disponíveis para o movimento de independência da Catalunha.

No domingo passado, o secretário de Estado Belga de Migração e Asilo, Theo Francken, não descartou que a Bélgica pudesse conceder asilo político a Carles Puigdemont. No entanto, essas palavras foram posteriormente corrigidas pelo primeiro-ministro belga Charles Michel, que pediu a Theo Francken "não colocar mais gasolina no fogo".

A viagem de Carles Puigdemont para a Bélgica ocorre no mesmo dia em que o Ministério Público do Estado apresentou queixas por crimes de rebelião e sedição contra todos os membros do governo catalão demitido.

Na última sexta-feira, Madri dissolveu o Parlamento da Catalunha e anunciou, em 21 de dezembro, a realização de eleições naquela comunidade autônoma da Espanha. O próprio Puigdemont não desistiu e pediu uma "oposição democrática" ao artigo 155 da Constituição.

Bélgica trata assunto como "rumor"

O Serviço de Imigração da Bélgica descreveu como rumores a informação que Carles Puigdemont está em Bruxelas.

"Eu ouvi esses rumores, mas eles são apenas rumores", disse à Sputnik Katrien Jansseune, porta-voz do Secretário de Estado da Migração e Asilo, Theo Francken.

A viagem de Puigdemont a Bruxelas também não foi confirmada pelo departamento de presidência do governo catalão, que, em conversa com a agência, disse que não estava ciente de sua agenda.

Sputnik