Itália diz que não reconhece independência da Catalunha

Chanceler afirmou que secessão é um "gesto gravíssimo"

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Angelino Alfano, afirmou que o país "não reconhece e não reconhecerá" a declaração unilateral de independência da Catalunha. Para o chanceler, trata-se de um "gesto gravíssimo e fora do amparo da lei".

"Por causa disso, exprimimos uma firme condenação e, ao mesmo tempo, o desejo de que o diálogo seja retomado, no respeito à Constituição espanhola, para poupar a população de uma escalada da tensão", declarou Alfano.

Pouco antes, o italiano Antonio Tajani, presidente do Parlamento Europeu, já havia dito que o órgão também não reconhecerá a independência da Catalunha. "O Estado de Direito não é uma opção, é uma escolha que a Europa fez de não reconhecer a validade do plebiscito nem seu resultado", disse ele, durante visita à região de Molise, no sul da Itália.

A península teve recentemente plebiscitos por mais autonomia no Vêneto e na Lombardia, mas movimentos separatistas, embora existam em diversas zonas do país, do Trentino-Alto Ádige, no extremo-norte, à Sardenha, no sul, possuem escasso apoio popular. 

>> 'Ato criminoso', diz Rajoy sobre a Catalunha