Milhares de venezuelanas fazem marcha contra Maduro

Mulheres protestaram contra a repressão policial em Caracas

Milhares de mulheres saíram às ruas de Caracas neste sábado (6) para uma marcha contra a repressão policial e o governo de Nicolás Maduro, que há mais de um mês é alvo de protestos diários.    

O objetivo das mulheres de oposição era chegar ao Ministério do Interior e da Justiça, responsável pelas forças de segurança, mas elas encontraram um bloqueio na avenida Francisco Fajardo, a mais importante da capital.    

Em resposta, as manifestantes se sentaram no asfalto e pediram para os militares "abandonarem as armas". "Chegou a hora de se unirem a essa Venezuela que está de pé, lutando por liberdade e democracia", disse a ex-parlamentar María Corina Machado, que já foi acusada de conspirar para matar Maduro.    

A marcha também contou com a presença de líderes masculinos da oposição, como Henrique Capriles, derrotado pelo atual presidente nas eleições de 2013. A onda de protestos iniciada em abril, após o Tribunal Superior de Justiça (TSJ) ter suspendido as prerrogativas do Parlamento, já deixou pelo menos 37 mortos e 700 feridos.    

Agora os manifestantes também criticam a ideia de Maduro de convocar uma Assembleia Constituinte sem eleição direta, o que os antichavistas chamam de "fraude" e uma tentativa do mandatário de se perpetuar no poder. Em Villa del Rosario, no estado de Zulia, opositores até derrubaram e queimaram uma estátua do ex-presidente Hugo Chávez.