Governo teme abstenção recorde em eleições na França

Temor é que candidatos eurocéticos disputem segundo turno

O governo francês teme que o primeiro turno das eleições na França, que serão disputadas neste domingo (23) sofra com uma gigantesca abstenção de eleitores, o que, segundo analistas, favoreceria os candidatos eurocéticos.    

As primeiras análises apontavam um abstenção na casa dos 30%, mas há temores de que ela seja ainda mais alta. "Com uma abstenção próxima a 50%, há o risco de que qualquer um dos quatro líderes passe. E não se pode excluir uma disputa entre [Marine] Le Pen e [Jean-Luc] Melénchon", disseram fontes do Eliseu à ANSA nesta quarta-feira (19).    

Os dois candidatos, sendo a primeira a representante da extrema-direita e o segundo da esquerda radical, são os que têm o mais alto percentual dos "votantes certos", ou seja, daqueles que não mudariam seu voto sob nenhuma hipótese.    

Por suas posturas contrárias à União Europeia, ambos causam muitas preocupações no atual governo francês. Um levantamento feito pela "BFM TV" mostrou que, em caso de segundo turno Le Pen-Melénchon, os franceses já fariam uma intensa ondas de saques dos bancos já na segunda-feira (24).    

De acordo com a última pesquisa eleitoral divulgada hoje, pela Cevipof com o centro de estudos Sciences Po, o candidato Emmanuel Macron (do europeísta Em Movimento) tem 23% dos votos, enquanto Le Pen tem 22,5%. O candidato da direita (e também europeísta) François Fillon tem 19,5% das intenções de voto e Melénchon aparece com 19%.