'The New York Times': Maduro manda cortar sinal da CNN em espanhol

Canal revelou suposta venda de vistos e passaportes venezuelanos em embaixada no Iraque

Matéria publicada nesta quinta-feira (16) pelo jornal The New York Times conta que autoridades da Venezuela ordenaram nesta quarta-feira (15) o desligamento do sinal da emissora de notícias CNN em espanhol, a principal da América Latina, acusando a de fazer propaganda contra o governo.

O Times informa que a Comissão Nacional de Telecomunicações decidiu "como medida preventiva a suspensão e a saída imediata das transmissões do Canal de Notícias CNN em espanhol no território nacional", segundo um comunicado difundido pelo Ministério da Informação venezuelano. Posteriormente, a Conatel divulgou o comunicado na íntegra, no qual informa que ordenou como "medida preventiva" a suspensão e a "interrupção imediata" das transmissões da "CNN en Español" no território venezuelano.

> > Venezuela Shuts Off CNN in Spanish After Criticizing Story

A Conatel afirma que é possível perceber na programação da "CNN en Español" "conteúdos que supostamente constituem agressões diretas que atentam contra a paz e a estabilidade democrática da Venezuela", descreve o noticiário.

O NYT acrescenta que o processo está relacionado com uma reportagem da CNN sobre uma suposta venda de vistos e passaportes venezuelanos na embaixada do país no Iraque.

A ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodríguez, classificou de "absoluta mentira" a reportagem. Além disso, afirmou que a fonte da investigação do trabalho, Misael López, é um "criminoso".

Rodríguez considerou ser "muito grave" o fato de emissora, que acusou estar "a serviço das agências políticas militares dos Estados Unidos", ter transmitido um programa com o qual pretende vincular o governo venezuelano com um "suposto tráfico de passaportes relacionado com o terrorismo". 

No domingo, durante seu programa semanal, o presidente Nicolás Maduro atacou a emissora.

"Eu quero a CNN bem longe daqui. Eu quero a CNN fora da Venezuela, fora!", expressou o governante socialista, que tampouco falou em medidas concretas.

Em 6 de fevereiro, a CNN em espanhol transmitiu uma reportagem que denuncia um caso de vendas na embaixada venezuelana em Bagdá de passaportes e vistos a pessoas de origem árabe que poderiam estar relacionadas com o terrorismo.

A notícia fala do vice-presidente venezuelano, Tareck El Aissami, como um dos responsáveis.

O Departamento do Tesouro americano sancionou na segunda-feira El Aissami por suposta relação com o tráfico de drogas, o que Caracas considerou como uma "agressão" para desestabilizar o governo de Maduro.

Segundo a chanceler, essa medida responde a uma "operação de propaganda de guerra" que busca "uma intervenção internacional" na Venezuela.