Ex-premier 'rebelde' tenta novo golpe na Líbia

Khalifa al Ghwell tomou edifícios de três ministérios em Trípoli

Ex-primeiro-ministro do governo rebelde da Líbia, Khalifa al Ghwell anunciou nesta quinta-feira (12) um golpe contra o gabinete de união nacional chefiado por Fayez al Sarraj.

Milícias sob seu comando invadiram e assumiram o controle de três ministérios em Trípoli, capital do país africano. Ghwell foi premier do governo islâmico que manteve o poder na cidade entre 2014 e 2016, após ter se recusado a reconhecer sua derrota nas urnas.

Por conta disso, o Parlamento oficial foi expulso de Trípoli e obrigado a se reunir em Tobruk, agravando a divisão iniciada com a morte de Muammar Kadafi, em 2011. No ano passado, sob supervisão das Nações Unidas (ONU), foi criado um governo de união nacional chefiado por Sarraj.

No entanto, esse gabinete não é reconhecido por Ghwell, que comanda milícias inspiradas na Irmandade Muçulmana. Em outubro de 2016, ele já havia tentado tomar o poder em Trípoli, mas acabou derrotado e forçado a voltar para sua cidade natal, Misurata.

Segundo Ghwell, a situação na capital vai "de mal a pior", e o governo apoiado pela ONU é um "fracasso". "Não me parece que tenha qualquer golpe em curso. As sedes institucionais onde opera o governo de união nacional continuam trabalhando", contemporizou o embaixador da Itália na Líbia, Giuseppe Perrone.

No início da semana, Roma reabriu sua representação diplomática na cidade, que estava fechada desde agosto de 2014 - a Líbia é uma ex-colônia italiana e serve como principal ponto de partida para as "viagens da morte" no Mediterrâneo.