'Deutsche Welle': Alemanha recebe 280 mil requerentes de refúgio em 2016

Número representa menos de um terço do registrado no ano anterior

Matéria publicada nesta quarta-feira (11) pelo Deutsche Welle conta que o Ministério do Interior da Alemanha divulgou nesta manhã que em 2016 o país acolheu 280 mil requerentes de refúgio, menos de um terço dos 890 mil registrados no ano anterior.

Segundo a reportagem o acordo entre a União Europeia (UE) e a Turquia para controlar o fluxo migratório para a Europa e o fechamento da chamada rota dos Bálcãs – utilizada por milhares de migrantes para chegar à Europa Central –, ambos ocorridos nos primeiros meses de 2016, contribuíram para a diminuição do número de refugiados.

> > Deutsche Welle Sharp drop in migrant arrivals in Germany

O Welle afirma que por outro lado, o número de pedidos de refúgio aumentou. Em 2016, o governo registrou 745.545 pedidos, ou seja, 268.869 a mais do que em 2015. Grande parte dos que requereram formalmente o acolhimento na Alemanha havia entrado no país no ano anterior. Do total registrado em 2016, 268.866, dos pedidos foram feitos por sírios, 172.892 por afegãos e 97.162 por iraquianos.  A sobrecarga do Departamento de Migração e Refugiados da Alemanha (Bamf), que enfrentou sérias dificuldades para lidar com o grande fluxo de migrantes, fez com que muitos adiassem a formalização de seus requerimentos de refúgio.

Analisando o total dos que chegaram à Alemanha em busca de refúgio em 2016, os sírios também foram maioria, destaca o Deutsche Welle. Outros países de origem de migrantes em grande número foram Afeganistão, Iraque, Albânia e Eritreia.

Enquanto diminui o total de chegadas ao país, aumentam os retornos, ressalta o diário alemão. Em torno de 80 mil pessoas deixaram o país voluntariamente ou foram repatriadas em 2016, número considerado longe do ideal pelas autoridades.

Para finalizar Deutsche Welle diz que 55 mil migrantes deixaram a Alemanha por vontade própria enquanto 25 mil foram deportados. O governo federal negocia com as autoridades estaduais – responsáveis pelas deportações – o aceleramento dos processos de repatriação.