Milícia étnica do Congo mata 13 civis

Etnias Hutu e Nande se enfrentam desde o início do ano após operações do Exército no leste do país

Pelo menos 13 civis da etnia Hutu foram mortos neste domingo de natal pela milicia Nande, no Congo. A ação, com uso de armas de fogo e facões, pode ter sido uma vingança pela morte de civis Nande na semana passada, segundo ativistas.

As relações entre as comunidades se agravaram devido a movimentos da população e operações do exército contra os Hutu na área. Em novembro, os Nande assassinaram 30 Hutus em uma escalada violenta que sacode o leste do país desde o início do ano. 

A violência miliciana em todo o país aumentou na última semana, com o temor de que a permanência do presidente Joseph Kabila no poder possa alimentar uma onda de conflitos localizados. 

Kabila, que está no poder desde 2001, assumiu o governo logo após a morte de seu pai, Laurent-Désiré Kabila. Em 2006, foi formalmente eleito presidente, cargo para o qual foi reeleito em 2011. Seu segundo mandato deveria terminar em 2016, mas o chefe de Estado se recusa a deixar a presidência e informou que não pretende realizar novas eleições antes de 2018.