Em Aleppo, rebeldes combatem entre si: radicais impedem outros militantes de fugir

Os combates entre grupos rebeldes na cidade síria de Aleppo têm aumentado porque os radicais estão tentando impedir que outros militantes deixem a cidade em conflito, disse o Ministério da Defesa russo neste domingo (27).

"Os confrontos entre grupos militantes intensificaram-se porque parte dos militantes que controlam o Leste de Aleppo queriam abandonar a cidade mas foram impedidos de o fazer por outros grupos mais inflexíveis", disse o Centro de Reconciliação russo.Além disso, segundo o Centro, um número cada vez maior de habitantes do Leste de Aleppo está descontente com as ações dos rebeldes. 

"Cada vez mais frequentemente acontecem protestos espontâneos contra as atrocidades dos terroristas", diz-se na declaração, adicionando que os residentes de três bairros controlados por militantes há quatro anos, obrigaram-nos a deixar completamente essas zonas. 

As regiões de Aleppo liberadas dos terroristas estão retornando à normalidade, a a formação de autoridades locais está em curso, disse o Centro para a Reconciliação da Síria: 

"O Centro Russo para a Reconciliação das Partes em Conflito organizou a entrega de ajuda humanitária às regiões de Aleppo liberadas de terroristas. Os bairros estão voltando à normalidade, as autoridades locais estão sendo formadas, a segurança e a ordem são asseguradas". 

Segundo o Centro, as forças do governo sírio avançaram significativamente para as partes orientais da cidade de Aleppo nos últimos dois dias. Cinco bairros e mais de 2.000 edifícios foram libertados dos terroristas da Frente al-Nusra e grupos rebeldes afiliados. "Somente nas últimas 24 horas, 903 civis, incluindo 119 crianças, deixaram a área de Jabal-Bidaru, controlada por militantes. Oito rebeldes acabaram com a resistência e deixaram a parte oriental da cidade usando os corredores criados pelo Centro de Reconciliação e pelas autoridades sírias", disse o comunicado. Nos últimos meses, a situação em Aleppo deteriorou-se gravemente. 

Decorrem violentos combates na cidade e seus arredores. Grupos terroristas pertencentes à Frente al-Nusra, estão retendo milhares de civis nos bairros orientais da cidade e impedem, incluindo com o uso de armas, todas as suas tentativas de escapar através dos corredores humanitários controlados pelo exército.