'Deutsche Welle': Morre vice-presidente do Parlamento alemão

Desde 20013 na vice-presidência do Bundestag, Peter Hintze morreu de câncer aos 66 anos

Matéria publicada neste domingo (27) pelo jornal Deuitsche Welle conta que o político alemão Peter Hintze morreu nesta madrugada aos 66 anos, das consequências de um câncer. Vice-presidente do Bundestag (câmara baixa do Parlamento alemão) desde 2013, ele compunha o reduzido círculo de colaboradores de longa data da chanceler federal Angela Merkel dentro da União Democrata Cristã.

De acordo com a reportagem o presidente do Bundestag, o democrata-cristão Norbert Lammert, homenageou Hintze em nome do Parlamento, como político apaixonado e colega estimado, para além de todas as fronteiras partidárias. Seu grande talento teria sido "construir pontes entre diferentes pontos de vista e interesses". Além disso, nos últimos 25 anos se afirmara como uma das principais figuras da CDU, disse Lammert.

> > Deutsche Welle CDU-Politiker Peter Hintze ist tot

Segundo Merkel, em Hintze sua legenda conservadora perde "uma de suas personalidades de destaque", que, ao longo de décadas, marcou a política tanto do partido como do país. "Inesquecíveis são, acima de tudo, seus seis anos como secretário-geral da CDU da Alemanha", frisou, acrescentando que ele teria sido um homem das palavras francas, mas também da moderação.

O Welle lembra que no início dos anos 1990, o pastor luterano formado Peter Hintze foi secretário de Estado parlamentar no Ministério da Mulher e da Juventude, sob a então chefe de pasta Angela Merkel. Em 1994 e 1998, como secretário-geral da CDU, organizou a campanha eleitoral para o chanceler federal Helmut Kohl. Nas eleições de 1994, contudo, Hintze foi muito criticado por sua campanha "das meias vermelhas", em que incitava os ânimos contra o Partido do Socialismo Democrático (PDS) – sucessor do SED, legenda única da Alemanha comunista, e extinto em 2007 – e o Social Democrata (SPD).

Em 1998, Hintze foi responsabilizado pela perda de poder dos democratas-cristãos, devido a sua campanha eleitoral "das mãos vermelhas", e substituído por Merkel como secretário-geral da CDU. No entanto, em breve conseguiu recuperar seu status na hierarquia de Berlim, tornando-se secretário de Estado parlamentar do Ministério da Economia em 2005, cargo que acumularia, dois anos mais tarde, com a coordenação federal da tecnologia aérea e espacial. Em outubro de 2013, assumiu a vice-presidência do Bundestag, finaliza o Deutsche Welle.