Hollande diz que vitória de Trump abre período de incertezas

O presidente da França, François Hollande, afirmou que a eleição de Donald Trump como chefe de Estado norte-americano abre um "período de incertezas" para o mundo.

"O povo norte-americano elegeu Donald Trump. Parabenizo-o como é natural que seja entre dois chefes de Estados democráticos. Mas, essa eleição abre um período de incertezas. Deve ser enfrentado com lucidez e clareza", declarou o mandatário.    

Para Hollande, os EUA são "parceiros de primeiro plano" e, a partir de agora, "está em jogo a paz, a situação do Oriente Médio".    

"Sobre todos esses temas iniciarei, sem demora, uma discussão com a nova administração norte-americana. Farei isso de maneira vigilante e sincera porque alguns pontos assumidos por Donald Trump durante a campanha devem ser confrontados com os valores e os mesmos interesses que dividimos com os Estados Unidos", acrescentou.    

O francês pediu para que os "medos sejam superados", mas que os "princípios fundamentais como a democracia e o modelo social" devem ser respeitados pelo novo líder da Casa Branca.    

O presidente da França já havia criticado publicamente o magnata nova-iorquino, definindo-o como um populista e apoiava, mesmo que discretamente, a candidata democrata Hillary Clinton.    

Quem também ficou "contrariada" com a eleição do republicano foi a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, que afirmou que a notícia da vitória dele foi uma "péssima notícia".    

"O choque é brutal. É uma péssima notícia para conviver e pelo grande desafio desse século que é a luta contra as mudanças climáticas. Essas eleições são um sinal de uma profunda divisão na sociedade norte-americana, entre centros e periferias, entre aqueles que estão à vontade na globalização e aqueles que só trazem desvantagens. É um problema que deve fazer todos refletirem porque não pertence apenas aos EUA", escreveu a prefeita em seu Facebook.

O ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Marc Ayrault, pediu que a Europa seja mais "inclusiva" após os eventos mundiais contrariarem os princípios do continente.    

"Depois do Brexit, depois da eleição de Trump, a Europa não deve se dobrar. A Europa deve ser mais inclusiva e mais ativa e mais ofensiva. Não devemos abaixar a cabeça, precisamos ser mais inclusivos, não devemos nos fechar em nós mesmos. Nesse mundo de incertezas, a França e a Europa tem hoje o dever de tranquilizar", disse o chanceler à "France 2".    

O embaixador da França nos Estados Unidos, Gérard Araud, postou um Twitter em que dizia que a eleição de Trump causava "o fim de uma era, a do neoliberalismo" e que "é preciso entender o que vinha depois".    

"Depois do Brexit e com essa eleição, tudo é possível. O mundo caiu perante os nossos olhos. Uma vertigem", postou o embaixador que apagou a mensagem logo depois.    

Extrema-direita comemora

Ao contrário dos líderes franceses mais tradicionais, o expoentes do partido de extrema-direita Frente Nacional comemorou a eleição de Trump. A presidente da sigla, Marine Le Pen, usou o Twitter para parabenizar "o novo presidente dos Estados Unidos Donald Trump e o povo norte-americano, livre!".

Já o fundador do FN, Jean-Marie Le Pen, elogiou a população e a vitória do magnata. "Os norte-americanos querem Donald Trump, o 'presidente do povo'. Hoje, os Estados Unidos, amanhã a França. Bravo!", escreveu em uma mensagem no Twitter.    

Mais tarde, ele voltou a comemorar. "Viva Trump! A demonização é uma porcaria e um impasse. As pessoas precisam de verdade e coragem. Parabéns, América. Foi um formidável pé na bunda para os sistemas político-midiáticos mundiais e também franceses", postou Jean-Marie.

>> Após eleições, republicanos dominarão Congresso norte-americano

>> Vaticano pede para Donald Trump favorecer 'paz no mundo'

>> Obama telefonou para Trump, diz chefe de campanha republicana

>> Eleição de Trump não muda relação entre EUA e Brasil, diz Michel Temer

>> Manifestantes protestam contra eleição de Trump nos Estados Unidos

>> Donald Trump é eleito novo presidente dos Estados Unidos

>> Entre o imprevisível e o calculável: EUA decidem entre Trump e Hillary

>> Financial Times: EUA escolhem entre a ameaça do 'urso' e a dos 'cupins'

>> NYT: Extremistas que apoiam Trump sentem que já são vencedores

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais