Protestos contra muro marcam missa na fronteira do México

Moradores lembraram daqueles que morreram na travessia

Uma missa binacional realizada pelas dioceses de Ciudad Juárez, no México, e por El Paso, nos Estados Unidos, foi marcada por protestos contra a construção de mais muros na fronteira entre as duas nações.

    O local da celebração foi próximo àquele em que o papa Francisco também fez uma cerimônia durante sua visita à nação em fevereiro deste ano. Durante a missa, que reuniu cerca de 300 pessoas de ambos os lados e que foi presidida pelo mexicano René Blanco e pelo bispo norte-americano Mark Seitz, foram lembradas as milhares de pessoas que já morreram buscando uma vida melhor nos EUA.

    Quem também participou da celebração foi o padre Francisco Javier Calvillo, que lidera a Casa do Migrante, e que disse que atualmente "há muitos muros e esses muros começam já pela mente, que vem do coração, que vem das palavras e acredito que esses muros não são bons nem para os imigrantes e nem para a sociedade".

    Na região, há também a representação de um muro de madeira, onde os moradores podem deixar suas mensagens contrárias à construção de mais barreiras na fronteira. "Não para mais muros que matam", "Por um mundo sem muros e sem fronteiras", "Todos os imigrantes são uma riqueza", são algumas das frases escritas no local.

    Apesar de não ter sido feita nenhuma menção pelos religiosos, a missa acabou sendo uma resposta às propostas do candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, que já afirmou que construirá um muro na fronteira entre as duas nações e que pretende expulsar os mais de 11 milhões de mexicanos que vivem em território norte-americano.

    A cerimônia, que é celebrada há 19 anos, sempre foi realizada na região de Anapra, mas com a construção de um muro metálico em grande parte da localidade, ela foi transferida para outro ponto, com o rio Bravo fazendo a divisa.

    Segundo dados de ONGs que trabalham com imigrantes locais, 494 pessoas morreram tentando a travessia entre EUA e México em 2015. Já a Organização Internacional para as Migrações (OIM) estima que 315 pessoas morreram ou estão desaparecidas ao tentar fazer a travessia local em 2016. (ANSA)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais