Igreja onde padre foi degolado por jihadistas é reaberta

Sacerdote Jacques Hamel será beatificado pelo Vaticano

Foi reaberta neste domingo (2) a igreja de Saint-Étienne-du-Rouvray onde, no último dia 26 de julho, dois jihadistas degolaram o padre católico Jacques Hamel em pleno altar.

O templo fica nos arredores de Rouen, no norte da França, e foi palco do primeiro ataque reivindicado pelo Estado Islâmico (EI) contra um símbolo do cristianismo no Ocidente. Na ocasião, os terroristas invadiram o local e obrigaram Hamel a se ajoelhar no altar, antes de cortar seu pescoço.

A igreja foi reaberta com uma missa celebrada pelo bispo de Rouen, Dominique Lebrun, e com um "rito penitencial de reparação" por conta do atentado. Recentemente, o papa Francisco fez uma homilia no Vaticano em homenagem ao padre e o declarou "mártir" da Igreja Católica.

Além disso, o Pontífice disse que Hamel deve ser tratado como "beato", ou seja, ser digno de veneração e de receber orações. O processo de beatificação pede a comprovação de um milagre, mas tal condição é dispensada em caso de martírio.

Também neste domingo, o próprio bispo de Rouen confirmou que a causa para beatificar oficialmente o sacerdote francês será aberta imediatamente porque Francisco determinou a dispensa do prazo de cinco anos após a morte exigido pelo Vaticano.