'WP': G20 foca nas condições climáticas do planeta

Reportagem fala sobre painel do FMI, acordos e decisões globais

Matéria publicada neste domingo (5) pelo jornal norte-americano Washington Post conta a cidade chinesa de Hangzhou está recebendo desde o último final de semana uma reunião da cúpula do G20, com a presença das vinte maiores economias do planeta. Nos primeiros dias, a ideia de acelerar o desenvolvimento sustentável foi debatida com bastante regularidade.

De acordo com o Washington Post, o presidente francês François Hollande propôs que a economia mundial seja regulamentada, com finalidade de proteger trabalhadores e o meio ambiente. Em um post no Facebook, Hollande disse que “o papel da França é contribuir para a regulamentação do planeta.”

Ele também disse: “nosso país se recusa a uma globalização sem regras, onde modelos sociais vão por água abaixo, as desigualdades crescem, e os direitos às propriedades culturais, e portanto a diversidade cultural, estão ameaçados.”

> > Washington Post The Latest: Russian, Turkish leaders meet to discuss Syria

No Brasil

Reportagem do Washington Post afirma que o chanceler brasileiro José Serra disse que o país vai manter sua política de redução de emissões de carbono na atmosfera, “colocando grande ênfase no desenvolvimento sustentável, para determinar as práticas e políticas certas.”

No último dia 11 de agosto, o Senado brasileiro aprovou as diretrizes do Acordo Climático de Paris, firmado pela ONU no final do ano passado. Michel Temer deve ratificar a entrada do Brasil no acordo nesta reunião do G20. Ainda falando no Acordo Climático de Paris, os EUA e a China ratificaram suas entradas no pacto climático da ONU, acrescenta o texto do Washington Post.

FMI

Em painel realizado no sábado (3), Christine Lagarde, diretora do Fundo Monetário Internacional, pediu que os países continuem consumindo para acelerar a economia e o crescimento em 2017. Roberto Azevedo, diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, seguiu discurso semelhante.

Lagarde afirmou que “o comércio está em baixa há muito tempo. Há um movimento anti-comércio neste momento. Está em âmbito político, e também no âmbito da opinião pública.”