Jornalista britânico reconhece sequestrador entre militantes apoiados pela CIA

Anthony Lloyd, um repórter do jornal britânico Times, reconheceu o homem que o sequestrou em 2014 na Síria nas imagens de um grupo de rebeldes apoiados pelos EUA. Em um artigo publicado no Times neste sábado (3), Lloyd conta que estava assistindo a um vídeo no Facebook de um grupo apoiado pela CIA quando ele identificou um de seus captores entre os combatentes que brandiram fuzis de assalto Kalashnikov festejando a vitória perto da cidade de al-Rai, na fronteira sírio-turca. 

"Era a cara do homem que tinha visto na última vez em maio de 2014 quando ele se inclinou e atirou duas vezes quase a queima-roupa no meu tornozelo esquerdo, quando eu estava de mãos amarradas", escreve Lloyd.

Antes disso, adicionou Lloyd, o militante havia batido nele, lhe chamando de espião da CIA. Ele está surpreso com o fato de que grupos rebeldes que levam a cabo raptos, torturas e execuções em massa agora fazem parte da chamada oposição síria moderada e lutam contra o Daesh.  

O Comando Central dos EUA não explicou ao Times como «um sequestrador tão conhecido, que tem ligações com os extremistas, poderia ter passado nos filtros de seleção norte-americanos».

Antony Lloyd e o fotógrafo Jack Hill foram sequestrados em 2014 vindos da Turquia a caminho de Aleppo. Sua tentativa de fuga falhou, após disso eles foram espancados. Depois, os jornalistas foram libertados. 

A Anistia Internacional, uma organização global que defende os direitos humanos, publicou um artigo em julho passado em que relata que pelo menos dois grupos rebeldes responsáveis por raptos, torturas e execuções em Aleppo e Idlib foram apoiados pelos EUA e seus aliados.