Italiana de 18 anos morre após pais recusarem quimioterapia

Eleonora Bottaro foi tratada com cortisona e vitamina C

Uma jovem italiana de 18 anos morreu em função de uma leucemia após seus pais, com consentimento da filha, terem se recusado a submetê-la a sessões de quimioterapia.

Moradora de Bagnoli di Sopra, na região do Vêneto, Eleonora Bottaro havia sido diagnosticada no início do ano, e os médicos receitaram ciclos de quimioterapia para combater a doença. No entanto, os genitores da jovem, que na época era menor de idade, refutaram o tratamento e a tiraram do hospital para colocá-la em uma terapia alternativa à base de cortisona.

Em resposta, a Unidade Sanitária Local (USL) de Bagnoli levou o caso ao Tribunal de Menores, que anulou a autoridade parental dos pais e colocou Eleonora sob a tutela de um médico. Contudo, a família se opôs à decisão dos juízes e, com a ajuda de um advogado, entrou com recursos para continuar o tratamento alternativo.

A jovem tomava doses do anti-inflamatório cortisona e, nas últimas semanas de vida, passou a receber vitamina C. Porém o tratamento não evitou a morte da jovem. Segundo o jornal "Il Mattino di Padova", o casal já havia enfrentado uma perda três anos antes, quando seu primogênito de 22 anos falecera vítima de um mal súbito.