Rússia anuncia retirada de militares de base no Irã

Teerã, por sua vez, nega que tenha autorizado uso de Hamadan

O embaixador de Moscou em Teerã, Levan Dzhagarian, anunciou nesta segunda-feira (22) que os militares russos abandonaram a base aárea de Hamadan, no Irã, local que estava sendo usado para lançar mísseis à Síria. A declaração do diplomata foi reproduzida pela agência de notícias Interfax. Segundo ele, a base aérea só será utilizada novamente se os governos da Rússia e do Irã "acharem necessário e indispensável".

"Um uso extra da base aérea de Hamadan, no Irã, por parte da aviação russa ocorrerá em acordo recíproco na luta contra o terrorismo e em vista da situação vigente na Síria", garantiu, por sua vez, o general Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia. "Atualmente, todos os aviões russos que participam de operações estão já em território nacional".

Em 2015, a Rússia anunciou que daria apoio aéreo e terrestre ao governo sírio, de Bashar al-Assad, para combater grupos rebeldes e a organização terrorista Estado Islâmico (EI). No dia 16 de agosto, o Ministério da Defesa da Rússia informou que os bombardeios na Síria com TU-22M3 e SU-34 tinham partido de Hamadan apara atingir alvos em Apeppo, Deir Ezzor e Idlib.   

Até então, os ataques tinham partido de bases no território russo. Mas o Irã nega que os aviões de Moscou tenham usado sua base para lançar mísseis à Síria. No fim de semana, o ministro da Defesa do Irã, Husein Dehkan, disse que em nenhuma hipótese o país permitirá que a Rússia utilize bases aéreas e que os aviões do país apenas fazem pousos em Hamadan para, depois, seguirem em voo à Síria.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais