Governo de Erdogan demite milhares de funcionários públicos

A vingança do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, contra os supostos simpatizantes do fracassado golpe de Estado perpetrado na semana passada parece não ter fim. Foi anunciada nesta terça-feira, dia 19, a demissão de cerca de 24 mil funcionários públicos em todo o país.    

Segundo a imprensa local, o Ministério da Educação demitiu mais de 15 mil pessoas, o Ministério do Interior, quase 9 mil e milhares de reitores universitários tiveram seu afastamento requisitado.    

Além disso, 257 pessoas que trabalhavam no Gabinete do primeiro-ministro foram demitidas e a Direção de Assuntos Religiosos, máxima autoridade religiosa ligada ao Estado, anunciou quase 500 dispensas, que incluem imãs e professores.    

Eles são acusados de envolvimento com o movimento Gülen, liderado pelo clérigo exilado voluntariamente nos Estados Unidos Fethullah Gülen, suposto responsável pelo golpe de Estado no país.    

O grupo possui tentáculos em meios de comunicação e instituições de ensino, formando uma legião de seguidores. Até o momento, foram mais de 9.300 detidos, informou o vice-premier e porta-voz do governo de Ancara, Numan Kurtulmus.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais