Em crise, primeiro-ministro da Ucrânia renuncia ao cargo

Arseni Yatseniuk está no poder desde fevereiro de 2014

Após meses de crise política, o primeiro-ministro da Ucrânia, Arseni Yatseniuk, anunciou neste domingo (10) que entregará sua renúncia ao Parlamento nesta terça-feira (12), abrindo caminho para a formação de um novo governo no país. 

Yatseniuk está no poder desde fevereiro de 2014, quando surfou na onda dos grandes protestos na parte ocidental do país contra o então presidente pró-Rússia Viktor Yanukovich, derrubado naquele mesmo mês. No entanto, há pelo menos um ano seu governo vive na corda bamba, já que alguns partidos que o haviam ajudado no início abandonaram sua base aliada. 

Em 2015, o chefe de Estado Petro Poroshenko, sucessor de Yanukovich, chegou até a pedir a renúncia do primeiro-ministro, que superou um voto de confiança no Parlamento em fevereiro passado, mas apenas agora decidiu se afastar. Em seu pronunciamento, Yatseniuk lembrou que a Ucrânia é um país "em guerra" e que o Congresso precisará escolher um novo governo rapidamente. Durante seu período no poder, o premier foi acusado de não conseguir implantar as reformas necessárias à nação e conviveu com escândalos de corrupção.

Atualmente, a Ucrânia ainda luta para recuperar o controle total das regiões orientais de Lugansk e Donetsk, dominadas por movimentos separatistas pró-Moscou. Uma trégua está em vigor desde o ano passado, mas as denúncias de violações do cessar-fogo são frequentes.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais