Síria: população retorna no sábado a Palmira, diz governador

Os habitantes de Palmira começam a retornar à cidade no sábado. O local foi retomado, pelas forças sírias, do grupo extremista Estado Islâmico em fevereiro, informou nesta quinta-feira (7) o gabinete do governador da província de Homs.

A parte residencial da cidade, próxima da célebre estação arqueológica, foi fortemente destruída pelos combates e bombardeios, segundo a agência France Presse que se deslocaram ao local após a recuperação de Palmira, a 27 de fevereiro.

“Ônibus transportando os primeiros habitantes de Palmira vão partir no sábado e os residentes começam hoje a registar seus nomes”, informou um responsável do gabinete do governador de Homs, província em que se situa a cidade.

Cerca de “45% da [parte residencial da] cidade está destruída”, destacou o responsável, citado pela mesma agência, que acrescentou que a cidade foi contudo limpa das minas colocadas pelos jihadistas.

Os ônibus vão partir no sábado da cidade de Homs, capital da província com o mesmo nome, com parte dos milhares de pessoas que fugiram da ofensiva do Estado Islâmico, que tomou a cidade em maio de 2015.

Antes do início do conflito na Síria, a população de Palmira estava estimada em 50 mil a 70 mil pessoas e, durante a presença do grupo extremista, em 15 mil.

A estação arqueológica, por seu lado, era visitada por mais de 150 mil turistas antes da guerra.

Da Agência Lusa

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais