Venezuela retira diplomata dos EUA após renovação de sanções

Segundo Washington, o país representa "uma ameaça"

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou de volta o principal diplomata nos Estados Unidos, Maximilien Arveláiz, encarregado de negócios, após seu colega Barack Obama renovar a ordem executiva que classifica o país como "uma ameaça".    

"Eu tomei a decisão, depois de 18 meses, de retirar o nosso embaixador, que tem exercido o papel de encarregado de negócios em Washington, Maximilien Arveláiz, e fazê-lo regressar a Caracas", disse Maduro, em pronunciamento na televisão estatal. "Chega de arrogância, prepotência e intriga", acrescentou.    

Em março do ano passado, Washington havia declarado que Caracas representa um "risco extraordinário" para os Estados Unidos. Arvelaiz esperava a autorização para começar a atuar como Embaixador em Washington. Os países estão se embaixadores nas duas nações desde 2010. Venezuela e Estados Unidos tem uma relação tensa desde o final dos anos 1990, quando Hugo Chávez assumiu o Poder. Segundo os chavistas, os "imperialistas" norte-americanos tentam "desestabilizar" a política interna do país. 

Histórico - Em março do ano passado, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, classificou a Venezuela como uma ameaça para a segurança nacional norte-americana e anunciou sanções contra sete funcionários venezuelanos que Washington acreditava ter violado direitos humanos. Este ano, as medidas foram renovadas.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais