Florença estuda abrir Corredor Vasariano ao público

Atualmente, o local é restrito a agências de turismo

Eike Schmidt, diretor das Gallerie degli Uffizi, o principal museu renascentista do mundo, situado em Florença, anunciou nesta segunda-feira (7) sua intenção de abrir ao público o exclusivo Corredor Vasariano, percurso que liga a galeria ao Palazzo Pitti, do outro lado do rio Arno, passando pela icônica Ponte Vecchio.

"A minha intenção é eliminar os privilégios e oferecer a possibilidade, não a obrigação, de passar por meio do Vasariano, chegando ao Palazzo Pitti, com um bilhete separado daquele dos Uffizi e adequado aos preços cobrados para o acesso aos museus", disse o diretor.

Atualmente, o corredor projetado por Giorgio Vasari no século XVI é acessível apenas a operadores turísticos e companhias de viagem, sempre com guia e segurança, a um preço que parte de 45 euros por pessoa - nas Gallerie degli Uffizi, o ingresso custa 12 euros. Além disso, as filas de espera são enormes. Em alguns períodos do ano, o espaço abre para visitação individual, mas os lugares disponíveis se esgotam rapidamente.

O local também abriga diversas obras-primas do renascimento, que Schmidt pensa em transferir definitivamente para os Uffizi. "As condições climáticas do Corredor Vasariano não são ideais para hospedar pinturas. O ambiente é muito frio no inverno e muito quente no verão por causa da exposição ao vento e aos raios solares", acrescentou.

Historiador da arte alemão, Schmidt foi nomeado para dirigir o museu florentino em agosto do ano passado, em meio a uma ampla mudança promovida pelo Ministério dos Bens Culturais nas principais galerias do país.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais