EI mata mais de 120 em ataques simultâneos a duas cidades da Síria 

Autoridades dos EUA e da Rússia tentam acordo de cessar-fogo há semanas 

Bombardeios em Damasco e Homs, duas das maiores cidade da Síria, causaram mais de 120 mortes e deixaram mais de 200 pessoas feridas neste domingo (21). No dia anterior, o secretário de Estado americano, John Kerry, conversou por telefone com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, para uma suspensão das hostilidades na Síria e comunicou que um cessar-fogo definitivo estaria mais próximo do que nunca.

Em Homs, carros-bombas causaram a morte de  57 pessoas e feriram 100 neste domingo, e outras explosões simultâneas atingiram Damasco, matando 62 e ferindo 180, segundo o Observatório Sírio de Diretos Humanos, no Reino Unido. Os ataques em ambas as cidades foram reivindicados pelo Estado Islâmico.

Kerry, no entanto, apontou que ainda existem temas para serem resolvidos e ele não espera nenhuma mudança imediata na situação do país. De acordo com Kerry, os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e da Rússia, Vladimir Putin, devem conversar nos próximos dias sobre o acordo temporário, que vem sendo discutido por Kerry e Lavrov em vários telefonemas nas últimas semanas. O Ministério das Relações Exteriores confirmou as conversas entre Kerry e Lavrov neste domingo.

Apesar do acordo provisório, Kerry afirmou não ver a possibilidade de mudanças imediatas na Síria. "Eu não creio que nos próximos dias, enquanto tentamos por em prática esse acordo, vá acontecer alguma mudança significativa. A oposição deixou clara sua determinação de continuar lutando, reivindicando a responsabilidade pela carnificina ocorrida nas duas maiores cidades da Síria, neste domingo", disse o secretário americano.