Ex-juiz Baltasar Garzón renuncia a cargo na Argentina

Espanhol recebia mais de US$ 6 mil por consultoria à Kirchner

O ex-juiz espanhol Baltasar Garzón anunciou sua renúncia ao cargo de "assessor especial" da Secretaria de Direitos Humanos da Argentina, anunciou a imprensa do país. O espanhol havia sido indicado ao posto pela ex-presidente Cristina Kirchner e recebia um salário de 96.368 pesos (cerca de US$ 6,8 mil) pela consultoria.    

Garzón era conhecido mundialmente por ter pedido a captura do ex-ditador do Chile Augusto Pinochet em 1998 e começou a trabalhar com o governo kirchnerista em 2005 - quando pediu a extradição para a Espanha de militares acusados de crimes de lesa humanidade.    

Na Argentina, o espanhol tinha um visto especial de trabalho e morava em Buenos Aires desde 2012, sendo um dos expoentes das campanhas eleitorais kirchneristas.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais