Corte da Índia autoriza permanência de fuzileiro na Itália

Massimiliano Latorre é acusado de matar dois pescadores indianos

A Corte Suprema da Índia decidiu nesta quarta-feira (13) estender até 30 de abril a permissão para que o fuzileiro naval italiano Massimiliano Latorre, acusado de matar dois pescadores em 2012, continue em seu país de origem.

O militar ficou detido em território indiano até setembro de 2014, mas recebeu autorização para voltar à Itália para realizar tratamento médico contra uma isquemia cerebral. Desde então, a Corte Suprema de Nova Délhi ampliou seu prazo de permanência na nação europeia em duas ocasiões.

O outro fuzileiro italiano acusado, Salvatore Girone, permanece na Índia. Ambos respondem pelo assassinato de dois pescadores indianos em 15 de fevereiro de 2012, quando estavam em serviço a bordo de um navio petroleiro. O incidente ocorreu em águas internacionais, perto do estado de Kerala, e os réus justificam os disparos afirmando que defendiam a embarcação de um ataque pirata.

Apesar da decisão da Corte Suprema, a Itália anunciou que Latorre ficará sob seu poder ao menos até a conclusão do processo de arbitragem internacional iniciado pelo país em Haia, na Holanda, em junho de 2015.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais