Mulheres votam pela primeira vez na Arábia Saudita

Cerca de 900 mulheres concorrem junto a mais de 6 mil homens

Pela primeira vez na história, a Arábia Saudita inclui as mulheres em suas eleições. Neste sábado (12), o país dá um tímido passo em direção à igualdade de gênero ao permitir que elas votem e até se candidatem a postos públicos. Os contrastes, porém, ainda são expressivos: são cerca de 900 candidatas concorrendo junto a mais de 6 mil homens por uma cadeira nas assembleias locais.

Os colégios eleitorais tiveram início às 8h locais, 3h pelo horário de Brasília. Hoje serão eleitos apenas dois terços do total de vereadores do país, o último do mundo a negar às mulheres o direito do voto. A Arábia Saudita é um reduto do wahhabismo, uma doutrina sunita puritana baseada na interpretação literal do Alcorão. 

Informações dão conta que o registro das eleitoras sauditas enfrentou dificuldades tanto em função da burocracia e da falta de informação quanto da proibição de que mulheres dirijam, o que dificulta sua locomoção até os locais de votação. Elas também precisam que um membro masculino de sua família as autorize a viajar, trabalhar e até mesmo se casar.

A Human Rights Watch, organização de defesa dos direitos humanos, classificou as eleições como um passo para uma maior participação das mulheres na vida política da Arábia Saudita, reforçando que o país "continua a discriminar as mulheres através de uma miríade de leis, políticas e práticas".