Líderes da China e Taiwan fazem encontro histórico

Foi a primeira reunião oficial dos países em 66 anos

Os presidentes da China, Xi Jinping, e de Taiwan, Ma Ying-jeou, tiveram um encontro histórico neste sábado (5), com um aperto de mão e a apresentação de uma agenda de cinco pontos para melhorar a relação entre os dois territórios, marcadas pela falta de reconhecimento de Pequim à independência da ilha vizinha. 

Na primeira reunião em 66 anos, desde a separação política, os líderes da China e de Taiwan discutiram temas a portas fechadas em um hotel de Cingapura. Antes da reunião, eles apertaram as mãos e tiraram fotos para a imprensa. "Independentemente das provas e das dificuldades que nossos compatriotas tiveram que enfrentar de ambos os lados, e da duração da nossa separação, nenhuma força pode nos separar", declarou Xi, em um discurso em prol da unificação. Pequim considera Taiwan uma província rebelde que deve ser reunificada. 

Em 2005, a China aprovou uma lei que prevê intervenção militar caso a ilha adote medidas para declarar independência. "Somos uma só família", disse Xi. "Estamos aqui para evitar que tragédias do passado se repitam", comentou o líder chinês, garantindo que seu regime não tem mísseis direcionados a Taiwan, ao contrário do que afirmam especialistas bélicos. Por sua vez, o taiwanês ressaltou que "ambas as partes devem respeitar os valores e o modo de viver da outra". De acordo com a agência de notícias de Tawain, o presidente apresentou ao chinês uma proposta de cinco pontos para melhorar a relação entre os dois povos. O ponto principal é a criação de uma "hotline" - telefone vermelho -- entre as agências que cuidam das relações bilaterais.

    Ma Ying-jeou também demonstrou que o encontro seja um novo passo para a normalização das relações, a qual ele mesmo promove desde que chegou ao poder, em 2008.

    A reunião de hoje teve caráter meramente simbólico, já que nenhuma parte aceita reconhecer a legitimidade da outra. Por isso, nenhum dos participantes usou o termo "presidente" durante o encontro. Em 1949, Mao Tsé-Tung fundou a República Popular da China, baseada no comunismo, enquanto os nacionalistas do partido Kuomintang (KMT) se refugiaram em Taiwan. (ANSA)