'Financial Times': Republicanos estão buscando um vencedor

Matéria publicada no jornal Financial Times, dia 3 de novembro, por Gideon Rachman, conta que Donald Trump gosta tanto da palavra "vencedor" que aplica até mesmo a pedaços de frango. Almoçando com o FT ha alguns  anos atrás, o futuro magnata-político apontou para uma parte suculenta do prato do entrevistador e disse: "Aquele pedaço parece um vencedor." No mundo de Sr. Trump, o maior vencedor de todos é, claro, a sua própria campanha Donald para a nomeação republicana, baseada em torno da afirmação de que: "Eu sou muito bom em ganhar. Eu acredito na vitória". A maioria das pesquisas de opinião mostram ainda o Sr. Trump lidera a corrida para ser o candidato republicano.

A reportagem diz que o pedido de Trump teria propriedades mágicas vencedoras, pois ele apela justamente para aqueles americanos que temem que eles e seu país estejam se transformando em perdedores. Em um típico arroubo retórico, o Sr. Trump uma vez argumentou que os Estados Unidos estão "indo rapidamente abaixo. Nós não podemos deixar. Somos motivo de chacota em todo o mundo. "(O medo de que as pessoas estão rindo de você, é claro, característica de um clássico perdedor). Todos os principais candidatos republicanos argumentam que a América está indo para os cães, mesmo que, por vezes, diferem nos detalhes. Ben Carson, o neurocirurgião, que está desafiando o Sr. Trump para a posição de liderança nas pesquisas, já chegou a afirmar que "politicamente correto" significa que a América é agora "muito parecida com a Alemanha nazista". As pessoas que votam no Republicano ainda tendem a ser mais ricas do que os democratas, então, tudo isso causar desespero nas fileiras republicanas é um pouco surpreendente. 

O jornal londrino acrescenta que existem quatro grandes mudanças que parecem sustentar a insegurança republicana: a primeiro é étnica, a segundo é social, a terceiro é econômico e a quarta é uma mudança na posição global dos Estados Unidos. Apenas 39 por cento dos americanos brancos votaram em Barack Obama em 2012 e ainda assim, o presidente foi facilmente reeleito, depois de ganhar o apoio de 80 por cento dos eleitores minoritários. Os brancos continuam a representar 72 por cento do eleitorado, mas a América está mudando rapidamente. De acordo com os EUA Census Bureau, em 2020, "mais de metade das crianças do país será parte de uma minoria raça ou grupo étnico", sendo os hispânicos o maior grupo minoritário único. Em  2043 os EUA vão ser "maioria-minoria", com classes de menos de 50 por cento da população. A retórica do Sr. Trump apela aos eleitores brancos que estão com medo por esta alteração. Ele prometeu deportar todos os imigrantes ilegais (11 milõhes nos EUA )e construir um muro gigante ao longo da fronteira mexicana. O medo de uma  mudança social nos EUA também animou os conservadores religiosos, que são uma parte importante da base republicana e são particularmente fortes apoiadores do Sr. Carson.