Investigação conclui que voo MH17 foi derrubado por míssil BUK

Os investigadores internacionais concluíram que o voo MH17 foi derrubado em julho de 2014 por um míssil BUK de fabricação russa disparado de uma área da região leste da Ucrânia controlada pelos separatistas pró-Rússia, segundo o jornal holandês Volkskrant.

A Agência Holandesa de Segurança (OVV) divulgará nesta terça-feira (13/10) o relatório final sobre as causas da catástrofe que matou as 298 pessoas, a maioria delas holandesas, que estavam a bordo do Boeing 777 da Malaysia Airlines.

O jornal holandês afirmou também que a investigação durou 15 meses

O relatório inclui mapas do local da catástrofe, campos próximos à localidade ucraniana de Grabove, na região de Donetsk, área da queda dos destroços do avião.

A zona, controlada atualmente pelos rebeldes pró-Rússia, era cenário de combates entre as forças de Kiev e os separatistas em julho de 2014.

A investigação refutou as declarações de Moscou de que o avião foi derrubado por um míssil lançado pelas tropas ucranianas, segundo o Volskrant.

Por Denise de Almeida