Turquia bombardeia EI na Síria e PKK curdo no Iraque

A Turquia atacou novamente neste sábado (25/7) o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria e abriu uma nova frente bombardeando posições dos rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no Iraque.

Pela terceira vez em 24 horas, os caça-bombardeiros voltaram a atacar posições do EI no território sírio. Segundo o primeiro-ministro Ahmet Davutoglu, há operações aéreas e terrestres atualmente em andamento. Davutoglu diz ter falado com o presidente da região autônoma curda do Iraque, Masud Barzani, que expressou sua solidariedade.

Os bombardeios representam uma guinada na política do governo islamita turco, acusado por seus aliados de apoiar as organizações radicais em guerra contra o regime do presidente sírio Bashar al-Assad.

A ofensiva contra os militantes curdos ameaça interromper o processo de paz iniciado em 2012 para tentar acabar com uma rebelião que deixou 40 mil mortos desde 1984 em território turco.

O comunicado do braço armado do PKK denunciou a "agressão bélica" e prometeu manter a "resistência".

Pelo segundo dia consecutivo, a polícia antiterrorista turca realizou na manhã deste sábado dezenas de detenções de supostos militantes do grupo EI e do PKK em várias cidades, sobretudo em Istambul, Ancara, Adana (sul), Konya (centro) e Manisa (noroeste), informou a imprensa turca.

Em outro sinal da guinada estratégica da Turquia, as autoridades confirmaram ter autorizado os Estados Unidos e outros países da coalizão antijihadista a utilizar suas bases, como a de Incirlik (sul).