Nova tragédia no Mediterrâneo pode ter matado 40 imigrantes

Um novo naufrágio de uma embarcação clandestina no mar Mediterrâneo pode ter deixado cerca de 40 mortos na manhã da última quarta-feira (22), segundo relatos de sobreviventes da tragédia que desembarcaram nesta quinta (23) na ilha italiana da Sicília.    

Como muitos outros, o barco havia partido da Líbia, mas logo depois do início da viagem começou a ser inundado. A operadores humanitários da ONG Save the Children, eles contaram que a embarcação levava 120 pessoas - incluindo mulheres e crianças -, das quais apenas 80 se salvaram.    

O grupo foi levado para a Itália pelo navio militar alemão Holstein, que já havia socorrido diversos barcos no Canal da Sicília. "Falamos com muitos deles e as versões são parecidas. Tenho na minha frente um garoto em lágrimas porque perdeu o irmão. As vítimas seriam todas originárias de países da África subsaariana", disse Giovanna Di Benedetto, porta-voz da Save The Children.    Além disso, nesta quinta-feira, 888 imigrantes foram retirados do mar em três operações realizadas ao longo da costa da Líbia.    

Eles viajavam em dois barcos e um bote. Desde o começo do ano, a Itália tem visto um agravamento da crise migratória no Mediterrâneo.    

Quase diariamente, embarcações clandestinas partem da costa da África rumo ao sul da Europa. Como o território italiano está a apenas 100 km de distância por mar do continente, acaba sendo o principal destino dessas viagens da morte.