Tunísia prende outro suspeito de atentado a Museu do Bardo

Detido é um cidadão marroquino que teve participação indireta

A Tunísia anunciou nesta quinta-feira (28) que prendeu um cidadão marroquino suspeito de ter participado do atentado contra o Museu do Bardo, em março, o qual provocou a morte de mais de 20 pessoas, a maioria turistas estrangeiros. De acordo com o ministro do Interior da Tunísia, Mohamed Ali Aroui, a prisão ocorreu no último domingo, na fronteira com a Líbia, em Ras Jedir. O marroquino é Noureddine Nabi, um dos cinco suspeitos ainda procurados pela Justiça. Os outros quatro são Adel Ghandri, Chemseddine Sendi, Maher Gadi e Noureddine Chouchane. 

Logo após o atentado, a Tunísia prendeu mais de 20 pessoas. De acordo com o governo, Nabi teve "participação indireta" no atentado, assim como o outro marroquino Abdelmajid Touil, preso recentemente na Itália e à espera de extradição sob acusação de ter fornecido suporte logístico. De acordo com os investigadores, o ataque teve o apoio de grupos extremistas islâmicos e a ação foi dividida em quatro etapas: organização, execução, apoio logístico e preparação da fuga após o crime.

    No último dia 18 de março, dois terroristas invadiram o Museu do Barco e atiraram contra dezenas de turistas que visitavam o acervo, que fica na capital do país, Túnis. O portal especializado em monitoramento de terrorismo SITE informou que o grupo extremista Estado Islâmico (EI, ex-Isis) assumiu a autoria do atentado. (ANSA)