Putin acusa EUA de boicote à reeleição de Blatter

Organização da Copa de 2018, na Rússia, está sendo investigada

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, acusou nesta quinta-feira (28) os Estados Unidos de tentarem impedir a reeleição do presidente da Fifa, Joseph Blatter. De acordo com o líder do Kremlin, a operação judicial deflagrada ontem na Suíça, a pedido de procuradores norte-americanos, "é a última e mais evidente tentativa dos EUA de estender sua própria jurisdição a outros países".

    Putin também afirmou que os EUA não têm "nada a ver" com a Fifa e que os dirigentes que foram presos "não são cidadãos norte-americanos". O mandatário ainda comentou que Blatter tem sofrido pressões para boicotar a Copa do Mundo na Rússia de 2018. "Nós sabemos das pressões exercidas sobre ele para vetar a realização do campeonato", confessou.

>> Escândalo da Fifa: PF bate na agência de Kleber Leite

>> Romário protocola pedido de CPI da CBF no Senado

>> Está na hora de o governo brasileiro apertar o cerco contra a CBF

>> Marin, ex-presidente da CBF, e executivos da Fifa são presos por corrupção

    Ontem, vários dirigentes da Fifa, entre eles o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin, foram presos pela polícia suíça, em uma operação surpresa a pedido dos Estados Unidos. Os cartolas estavam hospedados em um hotel de luxo em Zurique para participarem de um encontro da Fifa. À noite, a Fifa divulgou um comunicado de que todos estavam banidos "provisoriamente" do futebol nacional e internacional. Os detidos estão sendo investigados pela Justiça norte-americana por corrupção nos últimos 20 anos na Fifa, a qual pode ter envolvido mais de US$ 100 milhões em contratos de marketing, direitos de transmissão televisivos e organização de torneios. Paralelamente a esta investigação, a Suíça está apurando a escolha das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022, que ocorrerão na Rússia e no Qatar, respectivamente. De acordo com procuradores, as investigações poderão abranger outras edições do torneio, como a de 1998, na França, a de 2010, na África do Sul, e a de 2014, no Brasil. O ministro da Esporte da Rússia, Vitali Mutko, que é membro do comitê executivo da Fifa, deve ser interrogado hoje por procuradores suíços, informaram os jornais russos. Por sua vez, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, não está entre os acusados. De acordo com os procuradores norte-americanos, ele ainda está sendo investigado.

    Diante do escândalo, Blatter suspendeu todos os seus compromissos pelo segundo dia. O cartola deveria fazer um discurso em uma convenção de medicina esportiva em Zurique.

    Ontem, ele também faltou a dois eventos da Fifa. Amanhã (29), a Fifa realizará as eleições para um novo presidente. O pleito, porém, já estava marcado e não sofreu alterações com a operação judicial.

    Blatter concorre ao seu quinto mandato consecutivo na entidade e seu único adversário nas eleições é o príncipe da Jordânia, Ali Bin Al Hussein. (ANSA)