Corpo do promotor Alberto Nisman é enterrado em Buenos Aires

Alberto Nisman, o promotor encontrado morto uma semana após acusar a presidente Cristina Kirchner, foi enterrado nesta quinta-feira, dia 29, diante da comoção de centenas de pessoas. Uma semana antes de morrer, no último dia 18, Nisman acusou Cristina e outros membros do governo de acobertarem iranianos que seriam os verdadeiros autores do atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) em 1994, que provocou a morte de 85 pessoas e deixou cerca de 300 feridas.    

O corpo foi encontrado no banheiro de seu apartamento, no bairro de Puerto Madero, em Buenos Aires, com um tiro na cabeça, poucas horas antes de ele apresentar novas evidências sobre o caso diante da Justiça.    

O corpo do promotor foi velado na última madrugada e enterrado no cemitério judaico La Tablada, em Buenos Aires.    

O traslado até o local foi feito sob forte segurança e atraiu centenas de pessoas durante seu percurso. Na chegada, um grupo pedia justiça.    

Flores, bandeiras da Argentina e cartazes com palavras de ordem foram levados à entrada do local. 110 oficias foram destacados para fazer a segurança do cemitério.    

Causa de morte     

Primeiro tratado como um caso de suicídio, a hipótese foi descartada pelo governo kirchnerista após não terem sido encontrados traços de pólvora em suas mãos. A morte está sendo investigada.