Porta da residência do promotor Alberto Nisman não estava trancada

O chaveiro que abriu a porta do apartamento de Alberto Nisman, procurador argentino que foi encontrado morto no começo desta semana após apresentar acusações contra a presidente Cristina Kirchner, disse que ela não estava trancada. "Coloquei a chave e entrei em dois minutos", informou a especialistas que investigam o caso.    

O homem identificado como Walter ainda disse, como publicou o jornal local "La Nación", que "qualquer pessoa poderia ter aberto" a porta - que estava fechada, mas destrancada, com a chave do lado de dentro.    

O corpo do procurador foi achado no banheiro de sua casa ao lado de uma pistola calibre 22, que pertencia a ele mesmo. Nisman tinha acusado a presidente e o ministro das Relações Exteriores da Argentina, Héctor Timmerman, de "decidir, negociar e organizar" um plano para acobertar os iranianos acusados pelo atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA), que deixou 85 mortos em Buenos Aires em 1994. O magistrado era o principal condutor da investigação.