Governo dá ultimato para protestos em Hong Kong

Caso manifestantes não saiam das ruas, Chun-ying Leun pode tomar medidas drásticas

O governo de Chun-ying Leun deu um novo ultimato para os manifestantes que pedem por mais democracia em Hong Kong neste sábado (4). Caso eles não saiam das ruas até a próxima segunda-feira (6), o governo tomará medidas drásticas.    

No comunicado televisivo, ele afirmou que "três mil empregados do governo vão estar nas ruas para servir os cidadãos" e que as estradas devem ser liberadas "para que todas as escolas possam reabrir". 

A polícia do país também anunciou ter detido 19 pessoas pelos confrontos registrados nesta sexta-feira (3), em que 18 pessoas ficaram feridas.