Premier israelense diz que não aceita críticas dos EUA

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou nesta quinta-feira (02) que não aceita críticas dos Estados Unidos sobre a questão dos assentamentos em Jerusalém. "Não entendo as críticas e não aceito essa posição. É melhor conhecer o tema antes de adotar alguma posição", disse o premier aos jornais do país.

Ontem (01), após o encontro entre Barack Obama e Netanyahu, o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, afirmou que os EUA estavam "profundamente preocupados" com a política de Israel de construir novas colônias para os judeus na Cisjordânia.

"Os árabes de Jerusalém são livres para comprar apartamentos na área ocidental da cidade e ninguém impede isso. Não tenho intenção de dizer aos judeus que não podem morar na parte leste de Jerusalém", afirmou o primeiro-ministro.

Nesta quarta-feira (01), a ONG Peace Now anunciou que o governo israelense estava liberando a construção de 2.610 novas casas em Givat Hamatos. Netanyahu disse que a Peace Now só divulgou a informação para tentar sabotar seu encontro com Obama, afirmando que a notícia "era uma falta de responsabilidade nacional".

Já o chefe da ONG, Yariv Oppenheimer, rebateu o premier dizendo que ele "deve culpar só a si mesmo e deve reservar suas frustrações apenas para si e para seus ministros, pois está destruindo as suas políticas de relações internacionais".

No início do mês passado, Netanyahu decidiu anexar outros 400 hectares da Cisjordânia para construção de assentamentos. A medida foi criticada tanto por seus ministros como pela comunidade internacional. A preocupação dos EUA é de que as novas colônias causem mais tensão e gerem conflitos na região.