Suíços terão referendo sobre sigilo bancário

A Suíça realizará um referendo sobre a manutenção do sigilo bancário no país, após um comitê composto por partidos de direita ter coletado 117 mil assinaturas em favor da consulta popular. Os idealizadores da iniciativa querem evitar a aprovação da troca automática de informações financeiras dentro da Confederação, assim como vem ocorrendo em relação a outros Estados. 

"A proteção da esfera privada é um bem central de uma sociedade liberal", declarou uma das promotoras da votação, a deputada federal Gabi Huber.    

Segundo ela, o sigilo bancário voltou a ser questionado por conta da "pressão de países endividados e com o apoio da esquerda". Recentemente, Berna aumentou a cooperação com nações estrangeiras em investigações sobre evasão fiscal e fuga de capitais para seus bancos, o que elevou a preocupação dos defensores do referendo.    

O sigilo foi introduzido na Suíça em 1934, durante a Grande Depressão, para proteger o dinheiro que saía de Estados em crise dos seus respectivos governos. Contudo, a consulta popular não deve ocorrer antes de 2016.