La Nación: Argentina quer voltar a ser um importador regularde petróleo

Governo argentino quer compensar a produção interna inferior

Após a caída da produção de hidrocarbonetos, marcas do governo Kirchnerista, a Argentina se tornou um importador de petróleo, algo que não ocorria faz duas décadas, aponta o artigo para o La Nación O mesmo já havia acontecido com a produção de gás do país, parte do qual o governo importa há quase 10 anos.

A Secretaria de Energia – que na teoria pertence ao Ministério do Planejamento de Julio De Vido, mas que na prática responde ao Ministério da Economia, de Axel Kicillof – convocou as petroleiras para uma compra do petróleo Bonny Light, da Nigéria. O objetivo era complementar a menor produção da bacia de Neuquén.

Segundo o La Nación, no total, a exploração local de petróleo caiu 1,3% nos primeiros sete meses do ano, de acordo com dados oficiais, em linha com um declínio que começou no final dos anos 90.

Esta é a segunda grande compra de petróleo no exterior neste ano (o anterior tinha sido em janeiro). A compra será em parte subsidiada, para que o custo do petróleo importado seja menos perceptível nos preços dos combustíveis, que já aumentaram 60% nos últimos 12 meses, muito mais do que a inflação.

O plano do governo é que o óleo atinja FOB US $ 83 por barril em Bahia Blanca. O produto, de acordo com estimativas do mercado, vai custar entre US $ 83,5 a US 84 no próximo mês. A diferença será coberta por fundos públicos. Ao importar petróleo o governo argentino carrega um alto custo político, pois destaca os problemas estruturais e mostra que a decisão se deve à urgência da crise energética.

Segundo o artigo, a Argentina ainda tem petróleo na bacia do Golfo de San Jorge, mas de qualidade inferior e com o baixo desempenho das refinarias locais, o custo seria maior. Comprar o petróleo da Nigéria dá mais resultado nas refinarias locais. Dessa forma, o governo espera substituir algumas importações de nafta e diesel, ou seja, produtos finalizados com maior valor agregado. "Importamos para melhorar a utilização da capacidade das refinarias e então importar um pouco menos derivado", resumiu o ex-secretário de Energia Daniel Montamat em entrevista para o La Nacíon.

A Secretaria de Energia pediu as principais empresas de petróleo – YPF, Axion, Shell, Petrobrás e Oil – para que relatem o quanto eles querem nacionalizar de petróleo. A proposta das empresas ao governo deve ser entregue em carta fechada. A nota, no entanto, não especifica a quantidade de petróleo que deve ser nacionalizada

Segundo o La Nácion, as discussões oficiais dão conta de que, mais empresas querem participar na operação trará mais petróleo e gerar mais economia de divisas. Em troca, o governo pede que as empresas informem, por escrito, os seus "compromissos de aumentar a produção de gasolina, diesel e óleo combustível - combustível de baixa qualidade que é usado, entre outras coisas, em usinas de energia para substituir gás natural -, de acordo com a complexidade de infra-estrutura de cada empresa".  

Crise energética

A importação de petróleo ocorre em um contexto de recessão e queda na demanda por gasolina e diesel. Em maio, por exemplo, caiu pela primeira vez em seis anos, as vendas de combustíveis no mercado interno. A operação é realizada sob a égide administrativa da da Comissão de Planejamento de hidrocarbonetos Investments, presidida pelo vice-ministro da Economia, Emmanuel Agis.

Segunso o La Nacíon, o esquema fornece um sistema para subsidiar a compra de petróleo no exterior, reduzindo os custos de importação. O primeiro carregamento foi de 151 mil metros cúbicos de óleo trazido Nigéria. O YPF foi quem ficou com a metade de embarque. O restante foi dividido entre óleo, óleo de Christopher Lee (37%), e Axion (12,5%).

Apesar da recessão, as importações de energia continuam à subir este ano, com um aumento de quase 10%, para 5,7 bilhões de dólares. Mas e sinais claros de desaceleração começam a aparecer. Em julho cumpriu o terceiro mês consecutivo de declínio nas compras externas. Naquele mês, US $ 828480000 foi gasto, de 9,6% em comparação com julho de 2013.

A compra de fontes energéticas é uma das principais razões pelas quais o governo implementou o mercado FX. Devido à falta de divisas suficientes e o êxodo de dólares para pagar a conta de importação, o governo da presidente Cristina Kirchner optou por restringir o acesso a dívidas para empresas e poupadores para reservar dólares para lidar com essas obrigações.