Síria enfrenta escassez de medicamentos

Brasília – A Síria passa por escassez de medicamentos devido às sanções econômicas impostas ao país, que levaram ao fechamento da maioria dos laboratórios farmacêuticos no Norte do país. De acordo com o ministro da Saúde sírio, Saad Naif, faltam 72 tipos de remédios no mercado e o governo tenta solucionar o problema por meio da importação de países que não aderiram aos embargos e de organizações internacionais humanitárias.

Entre as medidas tomadas pelo governo com o objetivo de minimizar os impactos da escassez estão a compra de equipamentos médicos e um contrato para a compra de cem ambulâncias do Irã. Ontem (24), um carregamento da Rússia chegou em Damasco, capital da Síria. Segundo o governo sírio, o auxílio russo tem o objetivo de aliviar o sofrimento da população do país causada pelos ataques de rebeldes a estabelecimentos de saúde e fábricas de medicamentos. Na semana passada, a Rússia havia enviado 44 toneladas de materiais médicos à Síria. Em setembro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou um surto de poliomielite no país.

Hoje (25), representantes dos Estados Unidos, da Rússia, das Nações Unidas e da Liga Árabe se reúnem em Genebra, na Suíça, para tentar de viabilizar a conferência de paz para a Síria. Estima-se que, desde a intensificação dos conflitos no país, mais de 115 mil pessoas tenham sido mortas e mais de 3,5 milhões, deslocadas.