Naufrágio de barco com imigrantes no Canal da Sicília tem 34 mortos

Segundo a Marinha da Itália, o balanço do naufrágio de um barco de imigrantes ilegais na sexta-feira (11) no Canal da Sicília contabiliza até o momento 206 sobreviventes e 34 mortos, a maioria mulheres e crianças, incluindo pelo menos sete bebês de seis meses a dois anos.    

As primeiras informações após o acidente davam conta de que cerca de 50 pessoas haviam morrido. De acordo com pessoas que escaparam da tragédia, na embarcação viajavam em torno de 250 passageiros.    

Ao menos 146 sobreviventes foram transportados para Malta pela Marinha do país, sendo 117 da Síria, 27 da Palestina, um da Líbia e um da Tunísia. Eles estão sendo assistidos e medicados em um hospital de Valeta, capital maltesa, antes de serem transferidos para centros de acolhimento de imigrantes. O restante foi levado para a ilha de Lampedusa, na Itália.    

Em um telefonema ao presidente do conselho da União Europeia, Herman Van Rompuy, o primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, disse que no próximo encontro dos países europeus ele não sairá da mesa até que seja apontada uma solução real para enfrentar o problema da imigração clandestina no sul do continente. Muscat já havia criticado duramente a UE, dizendo que ela deveria parar de perder tempo com "palavras inúteis", além de chamar o mar Mediterrâneo de "cemitério".