EUA indicam enviado especial que deverá programar fechamento de Guantánamo

Brasília – O governo dos Estados Unidos escolheu o novo enviado especial do país para o processo de encerramento da prisão militar norte-americana de Guantánamo, em Cuba. É Paul M. Lews, que era conselheiro-geral no Comitê de Serviços Armados da Câmara de Representantes (o equivalente à Câmara dos Deputados) no qual supervisionou as questões relacionadas com Guantánamo.

Dos 166 detidos em Guantánamo, 86 foram considerados aptos para serem libertados pela administração norte-americana, 56 são iemenitas. A religião predominante é a muçulmana. Muitos detentos reclamam que são desrespeitados religiosamente.

Em maio, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, confirmou a intenção de encerrar as atividades de Guantánamo. No local, há 166 suspeitos de terrorismo. A maioria dos detidos ainda não foi julgada, 73 mantêm uma greve de fome em protesto às condições de detenção.

O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, elogiou a capacidade de Lews. A prisão de Guantánamo é uma base militar, na qual estão, sobretudo, os suspeitos de terrorismo e envolvimento nos ataques de 11 de setembro de 2001. Segundo ele, a indicação de Lews mostra que o governo está disposto a fechar a prisão.

O enviado especial terá como tarefa facilitar a transferência de detidos para outras prisões federais e supervisionar a transferência de presos também para o exterior e dos detidos que estão sob custódia norte-americana no Afeganistão.