La Nación: "efeitos Brasil" causam impactos na indústria automotiva

O setor automotivo já está apresentando os reflexos da desvalorização do real, com impactos na indústria argentina, que teve uma diminuição no seu ritmo de produção. Nos últimos meses, o fenômeno provocou a redução nas horas de trabalho nas fábricas da Fiat, Volkswagen e, recentemente, da Renault. As informações são do Jornal La Nación (Buenos Aires), que traz nesta segunda-feira (30/9) uma matéria avaliando as interferência do mercado brasileiro na indústria argentina com relação ao setor. Segundo o veículo, cada ponto de menor demanda no Brasil está prejudicando os operadores automotivos, principalmente na província de Córdoba.

"Esse ano, a Renault foi uma das empresas que mais produziu no país, funcionando até em vários sábados. Nas últimas semanas, o ambiente macroeconômico mudou e que faz com que a demanda por nossos carros no Brasil cair consideravelmente", contou uma fonte da companhia ao La Nación. 

A matéria informa que a Fiat Auto continua este mês com a suspensão de suas atividades de produção nas sextas-feiras. A empresa está adotando essa medida desde julho, quando os protestos sociais no Brasil desacelerou as vendas nesse mercado. O texto destaca que o Brasil é o destino de mais de 85% da produção de veículos Fiat. O La Naciòn afirma que toda a indústria está ressentida com a falta de demanda no Brasil nos últimos tempos. O setor automotivo teve o crescimento acumulado de 12,9% até setembro, embora a produção em agosto caiu drasticamente. Confrontado com a de julho, a queda foi de 1,4%, segundo dados divulgados União Industrial Argentina (UIA).