The Daily Telegraph questiona objetivos de Obama com a "Guerra do Terror"

O jornal londrino The Daily Telegraph publica nesta terça-feira (12/08) um artigo da analista política Janet Daley, com avaliação da reação do cenário internacional quanto os pronunciamentos do presidente americano, Obama, com relação aos conflitos no Afeganistão. 

Janet começa o seu texto afirmando que “o ocidente já não pode contar com a liderança americana no mundo” e que após o governo de Obama “o julgamento e a eficácia de Washington na política externa não pode ser confiável”. A autora enfoca a estratégia do presidente americano no seu segundo mandato, baseado na premissa de que a Al-Qaeda tem sido esmagada pelo sucesso das operações de aviões americanos no Paquistão de Osama Bin Laden. “Em maio, Obama fez um discurso triunfal em que ele declarou oficialmente a Guerra ao Terror”, destaca Janet.

O artigo afirma que, na semana passada, 19 embaixadas dos EUA no Oriente Médio e Norte da África tiveram que fechar as suas portas, por causa de ameaças terroristas. A autora contrastou a declaração de Obama sobre a Guerra do Terror e a saída em massa dos diplomatas americanos, em função das ameaças específicas. O texto destaca que “os EUA agora estão envolvidos em ataques de drones no Iêmen, cujo governo declara repetidamente vitória sobre o ramo da Al-Qaeda local. Qual é exatamente o papel dos EUA neste, se não como parte de uma "Guerra ao Terror" internacional? Quando Barack Obama concorreu pela primeira vez à presidência, ele se comprometeu com a guerra no Afeganistão (em vez do Iraque) e se recusou a descartar a possibilidade de invadir o Paquistão. Será que ele agora tem objetivos claros, coerentes ou é sua Casa Branca simplesmente reagir aos acontecimentos?”