Aceleração na infraestrutura de alta velocidade pode ter causado acidente

Artigo publicado no El Paìs atribui às construções desenfreadas causas de acidentes na Espanha

O colunista Adolfo Barrio Mozo, do El Paìs (Madri) publicou na edição do jornal, desta sexta (09/08), um artigo sobre as causas de acidentes ferroviários na Espanha. Segundo Adolfo, a opinião pública atribui a culpa dos recentes acidentes como sendo falha humana ou fatalidade, mas os reais motivos podem estar na construção desenfreada de infraestrutura de alta velocidade, que tem levado a negligenciar a segurança, de acordo com a matéria. “Parece que não só a Ourense-Santiago, onde ocorreu o acidente, não tinha sistema de segurança de funcionamento capaz de evitar o erro humano e controlar a velocidade de um trem”, destaca o texto.

O artigo faz uma reflexão sobre as circunstâncias estruturais do sistema ferroviário no país, e que poderiam ter levado ao acidente. O autor considera dois pontos para sustentar o seu artigo, econômico e de incoordenação. “A Espanha, por razões puramente políticas e sem qualquer análise de benefícios dignos desse nome, embarcou em um projeto ferroviário megalomaníaco e incomparável”, diz o autor. Adolfo avalia a quantia investia pelo governo no projeto, comparando-os aos avanços concretos na malha ferroviária. “Em estudos de professores de prestígio em transporte não só revela sua irrelevância absoluta econômica, mas também social”, destaca.

A publicação ressalta que se “a necessidade de coordenação entre a gestão de infraestrutura e exploração de serviços abrange todos os aspectos do sistema, talvez nenhuma seja tão importante quanto a segurança, para que os responsáveis ??por ambas as áreas tendem a ter interesses e pontos de vista diferentes”.