Irmandade Muçulmana diz que exército incentiva guerra civil no Egito

Representantes da coligação islamita do Egito, na oposição, afirmaram hoje (24) que o discurso do chefe militar do país, Abdel Fattah al-Sisi, sugerindo manifestações de massas em favor da repressão ao “terrorismo”, é um “apelo explícito à guerra civil”. A declaração do movimento, que tem se tem mobilizado pelo regresso do presidente Mohamed Mursi, deposto pelos militares em 3 de julho, foi divulgada em comunicado oficial.

O dirigente da Irmandade Muçulmana, Essam al-Arian, tinha assegurado que as ameaças do general Al-Sisi não impedirão os simpatizantes do presidente deposto de prosseguirem os protestos marcados para sexta-feira.

Ele reagia ao pronunciamento feito também hoje pelo chefe do exército, que exortou os egípcios a saírem às ruas na próxima sexta-feira (o dia sagrado do Islã) para demonstrarem apoio às Forças Armadas e à polícia, na tentativa de acabar com a violência e o “terrorismo” no país.