Representante da ONU no Iraque condena bombardeios e faz apelo por paz

O representante especial do secretário-geral da ONU no Iraque condenou, nos termos mais fortes, neste domingo, uma série de ataques suicidas, carros-bomba e outros atos violentos. Em nota, Martin Kobler ressalta que os ataques mataram civis e deixaram outras "centenas de pessoas inocentes feridas". Segundo agências de notícias, pelo menos 30 pessoas morreram na capital iraquiana, Bagdá, no sábado.

Os ataques ocorreram ao final do período de jejum que os muçulmanos observam durante o mês do Ramadã. Para Kobler, esses "atos criminosos, que têm como alvo civis rezando em mesquitas ou reunidos após o fim do jejum, são insensatos".

O chefe da Missão da ONU no Iraque, Unami, lembrou que o mês do Ramadã é sagrado e "deveria ser um período para espiritualidade e perdão, ao invés de ocorrer aumento da violência e da divisão".

Kobler, que está deixando o cargo, afirmou estar entristecido por suas últimas palavras como representante das Nações Unidas no país estarem ligadas à violência e a atos criminosos.

Ele pede a todos os iraquianos que não deixem a violência prevalecer e trabalhem em conjunto em prol da paz e do diálogo, que segundo Kobler, é a única solução sustentável para o país. Segundo ele, nos últimos quatro meses, a violência no Iraque fez 3 mil mortos e deixou 7 mil pessoas feridas.