Comissão inicia investigação sobre violações na Coreia do Norte

A Comissão de Inquérito das Nações Unidas para a Coreia do Norte começou seus trabalhos, nesta sexta-feira, em Genebra. Os três integrantes da Comissão contaram ter recebido uma grande quantidade de informação de testemunhas e especialistas. O grupo foi formado em março numa sessão do Conselho de Direitos Humanos, que votou a favor da abertura da investigação sobre alegações de violações no país asiático.

O objetivo dos especialistas é analisar como os abusos estão afetando a vida dos norte-coreanos mais carentes como mulheres, crianças e pessoas consideradas vulneráveis.

O presidente da comissão, o juiz australiano, Michael Kirby, disse que a prioridade do trabalho é ajudar à Coreia do Norte a melhorar os direitos humanos de sua população.

Os integrantes do grupo escreveram a representantes norte-coreanos, em Genebra, para pedir cooperação e um espírito de transparência nos trabalhos. Mas a resposta recebida teria sido negativa.

Desaparecimentos

Esta é a primeira investigação de direitos humanos na Coreia do Norte, segundo o Conselho. Dentre as violações indicadas de serem praticadas no país asiático estão privação de alimento, torturas, prisões arbitrárias, maus tratos a prisioneiros, discriminação, desaparecimentos e restrições à liberdade de ir e vir, entre outras.

Além de Kirby, participam da comissão, o relator especial Marzuki Darusman, da Indonésia; e Sonja Biserko, da Sérvia.