Operadora da Usina de Fukushima identifica vazamento de água radioativa

A operadora da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão, a Tokyo Electric Power (Tepco), confirmou hoje (21) o vazamento de 360 litros de água radioativa de um dos tanques utilizados para dessalinizar o líquido contaminado no local. Há dois anos e três meses, um terremoto seguido por tsunami causou acidentes nucleares na usina provocando vazamentos e explosões. Desde então autoridades e peritos tentam administrar os problemas causados.

A estimativa dos peritos e das autoridades do Japão é que o processo, iniciado em 2011 para controlar os problemas causados pelos acidentes nucleares, só será encerrado em 30 a 40 anos.

Apesar da nova falha, a operadora informou que não houve vazamento da água contaminada para fora do complexo da usina nem acarretou mudanças nos percentuais de radiação nos sensores que monitoram a área. O problema foi identificado às 3h da madrugada, segundo os peritos. No local, há mil contentores que armazenam água radioativa. Parte dessa água é utilizada, uma vez retirado o sal e as partículas radioativas, para refrigerar os reatores.

Atualmente, o principal problema da Tepco é lidar com o acúmulo de água radioativa e a necessidade de impedir as infiltrações (de água subterrânea) em decorrência da falta de espaço para continuar a acumular o líquido e a possibilidade de que entre em contato com o mar. Na usina, trabalham cerca de 3,5 mil funcionários diariamente.