Em Berlim, Obama defende redução do arsenal nuclear mundial

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu nesta quarta-feira em Berlim a redução dos arsenais nucleares e o fim da produção de armas atômicas em escala global. A promessa foi feita em seu primeiro discurso oficial na Alemanha, proferido junto ao Portão de Branbemburgo, símbolo da Guerra Fria.

"Nós podemos não mais viver com o medo da aniquilação nuclear, mas, enquanto armas nucleares existirem, nós não estaremos a salvo", disse Obama antes de anunciar que trabalha para reduzir arsenal atômico americano "em até um terço". 

Junto do trabalho interno, o presidente americano também prometeu iniciar um movimento para que todas as nações encerrem a produção de materiais usados para construir armas nucleares, citando como exemplos a Coreia do Norte e o Irã.

Em um discurso floreado de elogios à comunhão política e ideológica entre Washington e Berlim, Obama não deu detalhes sobre sua aposta na desnuclearização parcial do planeta. Em referência à era pós-1989, ele defendeu que o mundo se encontra num estágio de desenvolvimento no qual é possível a manutenção da paz sem a existência de armas nucleares. Obama citou especificamente a Rússia como um parceiro de diálogo para uma nova postura nuclear pós-Guerra Fria.